Baby-quê?!

Da diferença entre o que fazemos e o que achamos que andamos a fazer

Não sei em que preciso momento esta dúvida me assolou. Sei que foi há mais de um mês. E há mais de um mês que este separador tem estado aberto, em branco, à espera que eu encontre resposta à pergunta que me encheu a cabeça num qualquer domingo de manhã, quando tanto eu como o meu cérebro devíamos estar a dormir #sqn:

Se eu tivesse um espaço físico, que nome lhe dava?!?

Hã?!?! Como assim???
Então, quando fiz a formação de consultora, a minha primeira dúvida foi: como me apresentar.
Porquê?? Toda a gente sabe que é consultora que se diz.
Certo, mas consultora para mim é uma pessoa dos números. Por exemplo: Faço consultoria numa empresa. No Dr. Wiki “consultoria” enche uma página de conceitos, chavões e definições todos eles intimamente ligados à economia e à gestão de empresas.
Como alguém sábio disse: “Eu sou consultora numa empresa: dou bitaites [profissionais]!” e isto faz-me sentido. Mas dizer: sou consultora de babywearing sabe-me a: sou soberana em charlatãnisse (se a palavra existe).

Portanto, faz sentido sermos chamadas de “consultoras”??
Foi provavelmente a primeira questão que lancei no grupo dos “meus pares”, aqui em Portugal. Acredito que a maioria tenha pensado, lá vem esta chata questionar, mas pronto, não queres ser consultora podes ser assessora. Pois, mas assessora é de beleza. Assessora, é aquela pessoa que não é carne nem peixe, é a secretária do Sr. Adjunto é a Sra. da Maleta Vermelha ou da Tupperware… (não se ofendam com o meu discurso demasiado preconceituoso, mas estranhamente NÃO estou a ser racional).
Sou educadora? Também há essa corrente, das babywearing educator… mas também não é isso. Como se traduz isto de ser educadora, facilitadora, consultora, profissional de babywearing?!?!?!?
Digamos que obtive vários tipos de resposta, mas continuo a achar que “ser consultora” é um chavão demasiado grande para o que faço. Não encontrei consenso e por isso, a contra-gosto, fui com a manada (ainda que com um nítido gosto amargo por não me conseguir rever ou identificar neste conceito de consultora).
Boa, então, vais ter um espaço físico, e nesse espaço vais ser consultora. Consultora de quê?? Como se o problema da definição profissional não fosse em si própria já uma luta, com ela vem a segunda questão: o da profissão em si…

A conversa regra geral começa assim:
– Fazes o quê?
– Sou consultora.
– Ah! que giro! Em que empresa!?
– Não, não é assim. Sou consultora de babywearing.
– Ah! Que giro! Mas isso é o quê?
– Então… é… ajudo mães a carregar bebés.
– Ah! Em marsúpios!!! Que giro, não sabia que isso existia!
– Não. Eu não disse isso.
– Hum… então?

… pois… não é fácil pois não?

Cada vez que cada uma de vocês diz no grupo Babywearing Portugal: “preciso de um babywering para o meu filho”, morre um unicórnio. Cada vez que uma de vocês diz: “o meu babywearing não me deixa bascular bem a bacia” uma pixie perde as asas. JURO!!!!

Afinal, porque temos tanta dificuldade em dizer o que fazemos/usamos?!?!?! Foi exatamente esta problemática (a da consultora estou a tentar interiorizar… ainda!) que me lançou para a tal pergunta de domingo de manhã: se eu tivesse um espaço físico, que nome lhe dava?!?!

Como é que se explica à vizinha da loja ao lado, à senhora de bengala, à tia-avó cheia de boa vontade o que estamos ali a fazer?!?! No mínimo vão dizer que a “rapariga” do nº 50 é uma gaiteira, metida a lambisgóia que faz umas coisas estrangeiras. Até ao dia que perdem a vergonha e perguntam: ó menina, qué isso do baby-coisas?! ah!! Carregam à antiga? Como se fazia na aldeia e lá em África! Que engraçado! Então vendem xailes…

E aqui a coisa divide-se em dois problemas: a tradução e definição do que é Babywearing e o VENDER.

Sobre vender… nós somos um povo comercial! Somos um caso de estudo pela nossa reação espontânea à promoção no ponto de venda, e a essa capacidade orgulhosa de possuir bens. Contrariamente ao reino unido que é provavelmente a nossa maior referência enquanto “comunidade”, por lá existe uma coisa chamada Sling Library. As Sling Libraries existem enquanto espaço físico gerido por consultoras, acompanhantes e voluntárias, com grandes bibliotecas de porta-bebés. Ou seja, uma Biblioteca de Porta-Bebés (sling library) é um negócio de aluguer e consultadoria, onde não se vende, mas se ajuda, esclarece e mostram várias coisas diferentes, de forma isenta. Estas bibliotecas podem existir num único espaço físico, ou serem gigantes com mais de 700 tipos diferentes de porta-bebés distribuídos por ações mais pequenas que podem passar por encontros mensais em cafés onde a pessoa, sob marcação, tem os seus 15 minutos gratuitos com uma consultora ou voluntária, que de forma rápida e sucinta explica o funcionamento do dito porta-bebés. Se a pessoa quiser um acompanhamento mais profundo pode também marcar uma consulta ou participar num workshop dinamizado pela sling library.

Portanto, em resumo, as slingl ibraries (bibliotecas de porta-bebés) são espaços onde experimentamos carregadores e temos apoio. Não há vendas. Ora culturalmente, para a mentalidade portuguesa, isto não é propriamente fácil de encaixar.
Até hoje, em Portugal, tivemos uma sling library à semelhança das que existem no Reino Unido. Mas cá é quase impossível fazê-lo por causa da ausência de vendas. Uma biblioteca tem que ser isenta. Ou seja, aqui o problema reside em querermos sempre saber o que os outros acham que é melhor e esquecermo-nos de experimentar o que efetivamente é melhor para nós. Queremos a validação dos outros e esquecemo-nos quanto do peso que a dinâmica mãe-bebé-biótipo-necessidade está implícita nessa escolha. Estou a fazer sentido?

Ou seja, em Portugal, é muito pouco provável que uma biblioteca tenha sucesso, se não fizer vendas, porque aqui funcionamos de três formas: compra por impulso, compra on-line, compra no ponto de venda. Por isso, ter um espaço que se limita a alugar e cobrar por apoio, parece algo surreal, do mundo dos “coitadinhos”.

Na verdade, de forma inconsciente, adaptámos a realidade internacional à nossa própria realidade e as consultoras tendem a ter as suas próprias bibliotecas de porta-bebés que alugam aos seus clientes. Gastamos mais dinheiro individualmente e andamos numa “rivalidade” para ver quem tem a biblioteca mais completa. Temos consultoras-lojistas que alugam as suas marcas de eleição. Tentamos ser as mais baratas, mais completas, mais especiais… Na verdade, nada neste processo é isento. Mas é o melhor que conseguimos por cá. E vá, nós somos emocionais, sejamos orgulhosos dos nossos “defeitos”!!!

Bom, com esta dissertação sobre a parte comercial, perdi-me no essencial… afinal, porque temos tanta dificuldade em traduzir babywearing?!?!?!

Há quase um ano que tento evitar a palavra babywearing. Lá está, acho que é um chavão e ensinaram-me que, efetivamente, o que fazemos é dar colo. Que a essência é o colo e não o que usamos para carregar. Por isso, achei que provavelmente a resposta para esta minha dúvida estava nessa formação que fiz. Parei tudo e fui ver os (muito poucos) apontamentos que fiz da minha formação enquanto consultora. Encontrei ZERO vezes a palavra babywearing… Fui ler o primeiro texto que escrevi quando saí da formação, sobre desconstrução e de repente as coisas foram-se tornando mais claras. Há um ano eu aprendi que o babywearing não existe, que existe o colo. E é isso que uma consultora de babywearing faz: ensina a dar colo, porque aparentemente esquecemo-nos disso. Mas caramba, se é SÓ isso, porque é tão difícil dizer que somos consultoras de colo?!?!?! Afinal, é o que somos, não é verdade?!?!

Tentei, mais uma vez, desconstruir as coisas. Se não conseguimos traduzir um termo, se não conseguimos dar corpo a esse termo, pode eventualmente existir algum erro na sua formulação inicial. Lembro-me sempre da dificuldade de traduzir a SAUDADE por ser mais do que um sentimento… se calhar, isto do babywearing também… #sqn

Na verdade, aquilo que fazemos é transportar um bebé (carry a baby). Usamos porta-bebés (baby-carrier) para o fazer (e sim, é um marsúpio, na sua essência, por muito que haja gente inocente, quase trespassada por lanças por dizer a palavra proibida em vez de mochila ergonómica). E usamos portes/posições diferentes (carries). Então, porque diabos dizemos babywearing e não babycarrying?!?!?
É carregar um bebé. Não é vestir o bebé. Se deixarmos de dizer Babywearing e passarmos a dizer baby-carrying já conseguimos dizer que ensinamos a usar porta-bebés. Que ensinamos a transportar num porta-bebés. Que ensinamos a dar colo.

A nossa grande dificuldade em traduzir à letra o babywearing (enquanto disciplina) prende-se efetivamente no palavrão supra-mencionado. Porque se utilizarmos Baby-carrying é tudo tão mais fácil!!!!

Então, e no fim desta conversa toda, como é que se vai chamar o teu espaço físico?!?!?!?!
Ahahahahah!!! Espaço físico??? Eu só queria dormir mais 30 minutos aos domingos de manhã!!!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s